ATENÇÃO: As inscrições para o Ahlan Wa Sahla 2009 já estão abertas, saiba tudo sobre o evento aqui no blog!

Não fique por fora do maior evento anual de dança do ventre de Campinas. Clique aqui para saber mais.

Aqui é lugar de paz, estudo e muita dança!

Seja muito bem vinda(o) a esse blog.
Eu Mariela Maia, farei o melhor para conseguir levar informações importantes até você.
Esse blog é de todas nós, aqui você pode opinar através dos comentários e enquetes, sugerir mudanças e participar ativamente.

Como funciona o blog?

Como em todo o blog, toda atualização recente fica na frente. Portanto, tem conteúdo de pesquisa e estudo em todas as páginas.Utilizando o postagens mais antigas, no final da página, você navega pelo blog, como se estivesse lendo um livro de trás para frente sem perder nada.Você pode navegar também pelos temas na coluna "Estude pelo tema", por exemplo, o tema vídeo aula irá te mostrar todas as postagens como vídeos aulas feitas carinhosamente para você por mim, Mariela Maia. Bons estudos!

7 de fevereiro de 2009

MODA NA DANÇA DO VENTRE: Um pouco de história PARTE I

Falar sobre a história da indumentária em Dança do Ventre é complicado_ para não dizer IMPOSSÍVEL! Creio que a maioria aqui já tenha pesquisado sobre História da Dança do Ventre. Pois bem... a História da própria dança já é incerta... Então, infelizmente, não temos muito material a respeito... Mas vou tentar passar alguns aspectos que observei através de minha experiência.

As mesmas teorias que apontam a prática da Dança do Ventre pelas Sacerdotisas no Antigo Egito falam sobre saias de linho, seios nus e muitos colares, muitos!!! Na realidade, temos desde as pinturas rupestres figuras de dançarinas com o ventre e seios à mostra. Resta comprovar se essa é ou não nossa Dança do Ventre, se são danças precursoras desta ou ainda se são outras formas de expressão. De qualquer forma, é dessa maneira que o traje dessas bailarinas foi registrado pelos povos antigos.

Os vários elementos encontrados nos trajes para Dança Oriental foram agregados à indumentária através dos séculos , provavelmente sob influência das trocas entre culturas diversas. Os ciganos podem ter levado ao Egito adereços indianos, bem como alguns passos e influências da dança ( que atire a primeira pedra quem não encontrar semelhanças entre o Kathak e o Flamenco, ou que não achar que as posturas do Andaluz e do Odissi são geradas na mesma base!), e mais tarde novamente com o exílio dos dançarinos pela invasão muçulmana. Vestidos e xales podem ter vindo das danças dos povos árabes nômades. Moedas e medalhas vieram dos ciganos. Os véus foram introduzidos e aproveitados como acessório de dança pelos coreógrafos Europeus... E várias trocas de informações contribuíram para chegarmos aos figurinos atuais.

Uma boa fonte para observar roupas de dançarinas orientais entre os se. XVIII e XX são as pinturas da fase do Orientalismo. São inúmeras as obras que retratam bailarinas e odaliscas em mercados e haréns. Para quem estuda Artes Plásticas em paralelo à Dança Oriental, fica claro que tais autores não retratavam tudo exatamente como era, mas filosofar a respeito não me cabe agora e existe a inspiração no que era real, então vale a pena conferir_ desde que se tenha consciência de que parte é realidade, e parte é pura manipulação por interesses colonianistas do homem Ocidental.

Mais uma vez falando sobre as "trocas" com os europeus... Há um século atrás, o traje da Dança do Ventre ainda era bem Baladi: vestidão, xale marcando os quadris... O modelo de duas peças foi criados por estilistas franceses, com o intuito de conceder glamour e evidenciar os movimentos no ventre. Em alguns países, até hoje é obrigatório o uso de barrigueiras com este traje. Foi neste mesmo contexto e período que a Dança Oriental se espalhou pelo mundo através dos filmes de Hollywood, imortalizando este traje e tornando- o referência quando se fala em Bellydance.

No último século, a evolução da Dança do Ventre tanto em inovações nas coreografias quanto nos figurinos foi enorme e rápida. Atualmente, duas- peças sem barrigueiras e até minissaias são aceitas no Líbano e em todo o circuito comercial de shows. Os vestidos estão cada vez mais justos e os bordados mais luxuosos. O uso de calças compridas é comum e aceito. As grandes estrelas no Egito podem tudo, e assim surgem figurinos cada vez mais extravagantes e inusitados. Não vou entrar no mérito de discutir gostos... Vou deixar essa parte para cada uma pensar e usar as conclusões para si. No próximo artigo, estarei falando da evolução dos trajes para dança no Brasil_ dessa vez em um texto muito mais gostoso, já que temos verdades e informações palpáveis para compartilhar!!! Então, até breve!



Zahrah


PS: cliquem nas fotos para ampliá-las.

4 comentários:

Carlinha disse...

Zahrah!
Que interessante! Agora tem gente que vai poder ter desculpa de tirar o sutiã - mesmo não sendo comprovado, rs!
Brincadeiras à parte, continuo adorando tua participação.
E anotando tudo!
Beijos!

JUH disse...

eu sempre achei estranho o uso da barrigueira cor de pele...
.
zharah, vc sabe dizer pq ela era/eh obrigatória em alguns lugares?? tipo eh para o ventre não ficar completamente descoberto,seilah, num ficar mt pelado...??

*pergunta besta* ><'

bJUh

Vanessa disse...

Adorei, Zá!!! Vai ser maravilhoso esse momento de estudo da moda e nos mantermos sempre atulaizadas sem perder o foco.
Beijooooooooo!!

Aisha Alyýyah disse...

olá, sou formada em moda e tive 2 semestres de história da moda e indumentária, pelo estudos feitos em sala temos teorias já comprovadas de que as egípcias dançavam com bustos de fora, o colar de ombro e apenas a saia de algodão, isso é, elas dançavam exatamente como se vestiam, inclusive minha professora comentou que daí vinha a história da sereia, pois os gregos dominavam os mares e quando chegavam ao Nilo viam as mulheres egípcias colhendo trigo, dançando (provavelmente algo parecido com a dança do ventre) e gritando (provavelmente o zagroota) em reverência a colheita, elas viviam solitárias pois seus maridos estavam sempre em guerra. Alguns desses gregos se apaixonavam por elas e assim ficavam no Egito, não mais voltando para casa, suas esposas então ficavam sabendo pelos homens que voltavam que eles haviam morrido no mar encantados pelo feitiço do canto e da dança de uma mulher metade peixe e metade sereia com os bustos de fora. legal né??
agora a dificuldade mesmo é descobrir qual a origem da dança mesmo pq acredito que ela se misturou com a dança de muitos povos já extintos, como os persas e os sarracenos